domingo, 26 de julho de 2009

Dentro

Não há como a nossa casa.
E por estar de volta sinto-me, usando uma expressão dos lugares por onde andei, como pinto no lixo - FELIZ! Não importam as malas meias por desfazer, o excesso de roupa na tulha, o frigorífico vazio, a agenda a abarrotar com trabalho em atraso. Estou de volta. A mim, aos meus, à minha casa. E não há como isto.

2 comentários:

José disse...

bem vinda

Mutante disse...

Mais do que voltar ao lugar, é voltar aos braços e aos olhos (ai os olhos...) de quem nos quer bem.