quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Inspirar


Leio por vezes, pela manhã, coisas que me deixam inspirada. Não por serem cor-de-rosa ou contarem histórias de Cinderelas mas por serem, pelo contrário, espelho do que vai por dentro de alguém. Porque há quem não consiga deixar preso dentro de si o que sente. Gente que expurga a mágoa, que se rejubila com o bom e tem, acredito, esperança, mesmo quando o nega. Ou não estaria a dizê-la. Quando se desiste é o silêncio que impera, não a voz, num sussuro que seja. Não sei em que têm esperança. Naturalmente. Porque a esperança não se projecta. Tem-se. Ao contrário da expectativa, que é carregar os ombros dos outros com as dificuldades que vão connosco.
Li, esta manhã, enquanto tomava café e o ar fresco subia do rio, coisas que me inspiraram. A repensar outra e outra vez no que sou e no que faço. A reequilibrar o que desejo e o que espero. Para mim e de mim. Apenas.

Inspiração deve ser isso mesmo, enchermos os pulmões e a alma de ar novo.

3 comentários:

Alexandra Brandão disse...

Falar da tua Beleza aqui até parece promoção. Mas é o que transborda desse rio e me inunda de felicidade por poder dizer, inchada: "esta miúda é minha irmã". Chama-lhe o que quiseres, mas isto é a faceta maravilhosa do orgulho de mana mais velha.

Mutante disse...

Dizes-me estas coisas e transborda o rio. Turvam-se os olhos mas fica o coração mais límpido. Nem sabes o bem que me faz saber-te aqui comigo.

Alexandra Brandão disse...

Esta miúda é minha irmã, ok, Mundo? Para que se saiba... (hehe!)